A Metodologia BioFAO também se destina à Medicina Veterinária, e os animais têm respondido de forma satisfatória ao tratamento de auto-organização de seu biocampo.

Ao longo do desenvolvimento do trabalho, evidenciou-se a necessidade de realizar pesquisas para comprovar a eficácia da metodologia. Atualmente, o Instituto BioFAO não realiza qualquer pesquisa com animais, mas é preciso reconhecer a importância dos resultados alcançados no passado.

As pesquisas básicas do BioFAO foram realizadas entre os anos 2000 e 2011 pela pesquisadora Drª. Haydée Maria Moreira, em conjunto com uma vasta equipe. Estas pesquisas foram desenvolvidas em parceria com a Faculdade de Medicina de Marília – FAMEMA e a Universidade Federal do Rio De Janeiro – UFRJ.

Segue um breve resumo das principais pesquisas realizadas em animais:

1- A SOBREVIDA DE CAMUNDONGOS COM TUMOR ASCÍTICO DE EHRLICH TRATADOS COM ULTRADILUIÇÕES

Para o grupo controle, o tempo mediano de sobrevida foi de 25 dias, ao passo que para os três grupos tratados ficou entre 431 e 511 dias. Verificou-se que os remédios ultradiluídos utilizados na forma de composto BioFAO agem com efetividade sobre o tumor transplantável de Ehrlich, visto que os animais tratados sobreviveram 14 vezes mais quando comparados ao grupo controle. Este trabalho demonstra a possibilidade do uso do remédio ultradiluído na forma de composto BioFAO no tratamento de câncer, sendo necessários novos estudos para explorar estes resultados tão impactantes.
Este trabalho corrobora com o pensamento globalizado de busca de produtos diferenciados, os quais são identificados como menos agressivos (naturais) e promotores de saúde, e neste universo estão incluídos os medicamentos produzidos a partir de substâncias ultradiluídas, utilizados neste artigo.  

Este trabalho foi publicado no European Journal of Cancer - Survival of Mice With Erhlich Ascitic Tumour Treated WithUltra-dilutions – Volume 47 – Suplemento 1, setembro de 2011.
Este trabalho foi apresentado no congresso The European Multidisciplinary Congress in Stochholm.

2- REVERSÃO DE UM PROCESSO EXPERIMENTAL DE INTOXICAÇÃO POR AGROTÓXICO ORGANOFOSFORADO UTILIZANDO-SE A METODOLOGIA BIOFAO

A exposição a DL50 do Methamidophos levou a morte de 12 animais (60%) no grupo não tratado. Nos grupos em que a BioFAO foi aplicada aos animais expostos a este praguicida, nesta mesma DL50, esta metodologia protegeu os animais da ocorrência de óbito (0%), não diferindo estatisticamente do tratamento com o sulfato de atropina (controle positivo – 10%). Em relação à exposição à DL50 do Chlorpiriphos, observamos a ocorrência de 45% de óbito para os animais não tratados. Observamos ainda que a BioFAO protegeu os animais da ocorrência de óbito (0%).

Os resultados do presente estudo mostraram que a exposição dos animais à DL50 dos dois praguicidas, com posterior tratamento segundo a proposta da BioFAO, protegeu-os da morte induzida pelas respectivas DL50, numa relação de 100%, sugerindo que este medicamento interferiu nas alterações induzidas pelos praguicidas no organismo dos animais. A eficácia deste medicamento foi semelhante ao controle positivo, ou seja, ao resultado observado com a administração do sulfato de atropina.

Este trabalho foi publicado no Homeopathic Journal, Rio de Janeiro, nº10 (1), 1-7.2008
Este trabalho foi aprovado para apresentação no Congresso Homeopático Britânico - 2005

3- REVERSÃO DOS EFEITOS TÓXICOS DO BENZENO EM RATOS APÓS TRATAMENTO COM MEDICAMENTO HOMEOPÁTICO NO MODELO DE DL50

Resultados e conclusões: No grupo submetido a DL50 e que não foi tratado, tivemos como resultado 8 óbitos nas primeiras 24 horas após a intoxicação. No grupo que recebeu o Benzeno e foi tratado com a BioFAO não ocorreu nenhum óbito nas primeiras 24 horas de observação.

O grupo que recebeu apenas a BioFAO não apresentou nenhum sinal ou sintoma. Estes resultados demonstram que o tratamento com medicamento homeopático foi efetivo na reversão dos sinais de toxicidade induzidos pelo benzeno, protegendo os animais de tal forma que não houve óbitos nesse grupo. Os resultados obtidos neste trabalho abrem as portas para a intensificação das pesquisas com os Fatores de Auto-Organização e as intoxicações por benzeno.

Este trabalho foi apresentado no XXVIII Congresso Brasileiro de Homeopatia.

4- TRATAMENTO EXPERIMENTAL DA INTOXICAÇÃO POR CHUMBO COM MEDICAMENTO HOMEOPÁTICO UTILIZADO NA METODOLOGIA BIOFAO – FATORES DE AUTO-ORGANIZAÇÃO DO BIOCAMPO

Os resultados obtidos em análise por espectrofotometria de absorção atômica na determinação de chumbo demonstram a efetividade do tratamento com a metodologia BioFAO na eliminação de chumbo das estruturas avaliadas – fêmur e rim –, sendo altamente significativa a diminuição do nível de chumbo no osso.

Este trabalho foi apresentado no XVI Congresso Brasileiro de Toxicologia.

5- UM ENSAIO EXPERIMENTAL DEMONSTRANDO OS EFEITOS DE ULTRADILUIÇÕES NO TRATAMENTO HOMEOPÁTICO PARA DOENÇA DE CHAGAS

Todos os animais (12) dos grupos A e B foram a óbito com 20 dias após iniciado o experimento, enquanto dos animais do grupo C, tratados com a metodologia BioFAO, três foram a óbito com 29 dias e três, após 37 dias de infecção, apresentaram resultados negativos no exame de sangue a fresco, sobrevivendo por 8 meses.

Estes resultados demonstram que o tratamento na metodologia BioFAO diminuiu a mortalidade comparando com o grupo não tratado, fato este que nos remete à importância de se intensificar pesquisas nesta área, visto esta doença estar recrudescendo em algumas regiões brasileiras.

Este trabalho foi apresentado no XXI Congresso Brasileiro de Parasitologia.
Esta pesquisa foi utilizada na dissertação de Mestrado Avaliação da Infecção Experimental com Leishmania Chagas em Hamsters pelo Tratamento com o complexo de Medicações Ultradiluídas - Fatores de Auto-Organização, de Silvio Leite Monteiro Silva.