conceitos-chave que inspiram a metodologia

Biocampo

Biocampo descrito como um campo biológico de natureza holística, holográfica e global, de efeito organizador – que regula e coordena todas as funções da vida –, é consenso entre diferentes autores.1,2,3,4,5,6,
Tal dimensão se estabelece como um campo de energia pulsante e se coloca como mecanismo central do nosso ser e da nossa consciência. É a força que determina se estamos saudáveis ou doentes, orienta o crescimento do nosso corpo, sendo também responsável pelas funções superiores de nossa mente. É a nossa memória e também o nosso coração7. Tudo está nele e brota a partir dele, evocando o sentido daquilo que foi descrito por Hipócrates, o pai da medicina, a cerca da Physis Hipocrática.8
Nas respostas da Metodologia BioFAO em interação com este campo biológico, observou-se que este se comporta como um campo integrado, colocando-se além da polaridade do eu e do não eu. Reflete a verdade de que “em nossa essência mais elementar somos uma carga de energia e que os seres humanos e todas as coisas vivas são uma fusão em um campo de energia conectado a todas as outras coisas que existem no mundo. Neste contexto, esse campo se coloca como o alfa e o ômega de nossa existência, e o nosso relacionamento com ele se estabelece como a nossa única verdade”.7
Nas observações clínicas, este campo, quando corretamente informado, promove no indivíduo a sensação de pertencimento, de inclusão naquilo que Fritjof Capra descreve como Universo Participativo9, evocando a ideia de não haver separatividade entre o biocampo individual e esse campo quântico universal descrito como “campo de ponto zero”. Exatamente essa integração promovida pela BioFAO permite abertura de memórias para padrões compatíveis com a saúde, promovendo estímulos coerentes para a auto-organização necessária nos processos de cura.
Em 1994, um painel sobre modalidades manuais de curas envolvidas com medicina alternativa e complementar nos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA cunhou o termo “biocampo” para o campo biológico10. O termo biocampo foi aceito pela Biblioteca Nacional de Medicina dos EUA como um termo de pesquisa de cabeçalho (MeSH) médico. Em 1999, o Centro Nacional de Medicina Complementar e Alternativa dos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA (NIH) emitiu um Pedido de Aplicação (RFA) para propostas de subsídios que tratam de terapias de biocampo, como a homeopatia e outras.

Referências bibliográficas

1. RUBIK B. Can Western Science Provide a Foundation for Acupuncture? Am Acad Med Acupunct Rev. 1993; 5: 15-17.
2. RUBIK B. The Unifying Concept of Information in Acupuncture and Other Energy Medicine Modalities. J Altern Complement Med. 1997b; 3 (suppl 1): S67-S76.
3. TILLER W. What are subtle energies? J Sci Explor. 1993; 7:293-304.
4. POPP F. A. Evolution as the Expansion of Coherent States. In: Zhang C. L., Popp F. A., Bischof M. eds. Current Development of Biophysics. Hangzhou, China: Hangzhou University Press, 1996: 252-264.
5. SAVVA S. A Systems Approach in Biology and Biophysics. MISAHA Newsletter, 1997; 18-19: 2-9.
6. SAVVA S. Toward a Cybernetic Model of the Organism. Advances in Mind-Body Med 1998; 14: 292-301.
7. MCTAGGART, Lynne. O campo: em busca da força secreta do universe. Rio de Janeiro: Rocco, 2008.
8. CZERESNIA, D. Constituição Epidêmica: velho e novo nas teorias e práticas da epidemiologia. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, vol. VIII (2): 341-56, jul.-ago. 2001.
9. CAPRA, F. e David Steindl-Rast, com Thomas Matus. Pertencendo ao Universo. São Paulo: Cultrix, 1999.
10. RUBIK B., PAVEK R., WARD R., Greene E., Upledger J., Lawrence D., Ramsden E. Manual healing methods. NIH Publication Nº 94-066, Alternative Medicine: Expanding Medical Horizons. Washington, D.C.: US Government Printing Office, 1994a: 134-157.

Natureza Holográfica Do Universo

A natureza holográfica do universo consiste no pressuposto de que cada parte do sistema contém a informação do todo e, portanto, completa sobre o objeto. Se quebrarmos a placa em pedaços eles refletirão a imagem tridimensional do objeto no espaço, demonstrando que o todo está nas partes assim como cada parte está no todo.
David Bohm afirma que “na ordem implícita tudo está introjetado em tudo”. Todo o universo está em princípio introjetado em cada parte ativamente, por meio do holomovimento. O processo de introjeção não é meramente superficial ou passivo, e cada parte está, num sentido fundamental, internamente relacionada em suas atividades básicas ao todo e a todas as outras partes.
Metáforas alquímicas como “tudo o que está em cima é igual a tudo o que está embaixo”, e concepções como “o todo no tudo e o tudo no todo” de Hermes Trimegistus descritas no livro O Caibalion são exemplos de que essa concepção holográfica está enraizada nos arquétipos da consciência humana desde os mais antigos pensamentos registrados.
Como cada indivíduo é parte deste todo, a proposta da Metodologia BioFAO é criar um código quântico holográfico, isto é, uma informação específica na forma de ultradiluições homeopáticas, com o objetivo de realinhar o padrão do indivíduo a esta informação holográfica universal. Isto significa reabrir memórias deste potencial original da natureza holográfica de cada ser. Toda pessoa é um pequeno holograma que reproduz o holograma universal.

Auto-Organização

De acordo com a termodinâmica, cada indivíduo deve lidar constantemente e ininterruptamente com a entropia, que se coloca como perda da energia e desordem crescentes. Em contraponto, no interior de cada ser vivo, surge uma capacidade de criar padrões de comportamentos não previsíveis, descentralizados, que permitem sustentabilidade e adaptabilidade deste sistema diante da complexidade, promovendo ordem. O desafio é o sistema vivo conseguir recursos internos que possibilitem manter esse fluxo de fótons, que são as partículas de luz que sustentam o Universo, de forma a sustentar este biocampo com ressonâncias que possibilitem saltos de consciência e unidade interna em cada bifurcação existencial que este indivíduo atravessa no curso da vida. Na Metodologia BioFAO, foram estudados fluxos e campos eletromagnéticos que permitem ao indivíduo criar potencial e coerência quântica para promover a auto-organização necessária aos processos que compõem a reestruturação da saúde.

Ressonância

Neste contexto a ressonância é pautada na perfeita identidade entre elementos específicos da natureza e o biocampo, de forma a criar um possível diálogo interativo capaz de gerar campos eletromagnéticos coerentes que reabram memórias de uma qualidade de saúde que se mantém inoperante e imobilizada durante o processo que entendemos como doença. A ressonância se coloca como a condição de criar um código de acesso a este biocampo, que passa a ser reconhecido por ele como seu idêntico, possibilitando a abertura para processos de auto-organização sistêmica.

Campos Vitais Geométricos – Sólidos De Platão

No desenvolvimento desta epistemologia, foram necessários estudos que avançaram na percepção de que frequências eletromagnéticas operam sempre através de campos de energia. A partir desta constatação, iniciamos com a compreensão sobre campos duplos ou binários, que foram evoluindo posteriormente para dinâmicas de maior complexidade, criando formas geométricas que evidenciaram, posteriormente, estarem inseridas no contexto do que é conhecido como “os sólidos de Platão”.
Em alinhamento com o que as antigas tradições estudavam, como a Geometria Sagrada, esses campos copiam os caminhos naturais da embriogênese, estabelecendo uma geometria viva que possibilita a abertura de consciência e aprofundamento na complexidade dos eixos existenciais.
Para Platão, esses sólidos correspondiam aos padrões essenciais da criação física. Quatro deles – o tetraedro, o cubo, o octaedro e o icosaedro – eram considerados os padrões arquetípicos por trás dos quatro elementos primordiais (fogo, terra, ar e água). O quinto, o dodecaedro, era visto como o padrão por trás do éter, a energia vital dos gregos. Suas aplicações chegam, por exemplo, à física e à medicina. Como lembra um de seus maiores estudiosos atuais, o médico estadunidense Robert J. Gilbert: “Todas elas se baseiam em um único princípio: tudo tem um padrão e esse padrão é a chave para criar um efeito específico.”

Sincronicidade

Para além do conceito clássico de sincronicidade definida como coincidência significativa entre eventos psíquicos e físicos, C. G. Jung tratou do tema introduzindo uma visão cosmológica, contextualizando sincronicidades como algo mais abrangente do Todo e não como um mero evento. Isso inclui toda uma ordem subjacente da vida que ele descreve como forças arquetípicas do inconsciente. Elas são descritas como sendo diretamente ligadas a estes operadores que organizam as sincronicidades. A proposta da Metodologia BioFAO é criar uma auto-organização interna destes padrões arquetípicos de forma a resultar em uma ressonância, a qual Jung denominou de padrão de Deus.
“Não posso provar a você que Deus existe, mas meu trabalho provou empiricamente que o ‘padrão de Deus’ existe em cada homem e que esse padrão (pattern) é a maior energia transformadora de que a vida é capaz de dispor ao indivíduo. Encontre este padrão em você mesmo, e a sua vida será transformada.” (STEIN, Murray. Jung – o mapa da alma).
Quando este terreno biológico, que denominamos biocampo, encontra-se alinhado em seus eixos eletromagnéticos com este padrão harmônico universal ou padrão de Deus, o indivíduo experimenta o que Jung chamava de atos criativos no tempo. Isso significa que a consciência deste indivíduo passa a estar conectada a uma ordem subjacente, a uma inteligência criativa universal, a mesma que criou a própria expressão da vida. Esses atos criativos são como dádivas que mostram que existe uma coerência nestas bifurcações da vida, no sentido de compor com ciclos virtuosos e construtivos para permitir que o indivíduo cumpra os altos fins de sua existência, como classifica o criador da homeopatia, Samuel Hahnemann.
Em termos concretos, o nosso sentimento é de que a vida começa a nos enviar, de forma generosa, todo tipo de informações necessárias para que possamos nos voltar para a direção de nossos propósitos nesta vida, de nosso dom. A sensação decorrente daí é de que fazemos parte da grande dança que é a vida, que somos agraciados com abundância e alegria.

Centros De Consciência E Meridianos Da Medicina Chinesa

Quando um campo de estudo se propõe a mapear toda a realidade de um indivíduo, a abordagem inicial evoca a importância de uma fisiologia deste campo e, no caso, um mapeamento de todos os campos eletromagnéticos estruturantes do indivíduo.
Apenas no estudo das antigas tradições foi possível encontrar caminhos para a construção desta fisiologia vital, seguindo as chaves fundamentais de algumas tradições milenares. Na medicina ayurveda, assinalavam a importância fundamental dos centros consensuais de consciência que chamavam de chakras e que se traduzem como centros endócrinos vitais. Na tradição da medicina chinesa, a ênfase era pautada nos meridianos de energia, ligados a cada órgão e víscera, trazendo uma outra perspectiva de acesso a esta rede dinâmica de vida.
O Estado da arte da Metodologia BioFAO foi pautado numa estruturação da rede que representa o alicerce de todo o campo vital representada pelo sistema endócrino. Depois de encontrados os elementos, foram estudados os ritmos, os fluxos na coluna vertebral e, com isto, os meridianos de energia foram contemplados em sua totalidade. Depois de composta esta fisiologia básica relacionada à estrutura essencial do biocampo, os estudos avançaram para o mapeamento dos campos ampliados de energia, que foram citados na antiguidade como os sólidos de Platão.
Com a complexidade do mundo atual, a reestruturação da saúde dos indivíduos deve passar por um realinhamento não só dos centros dinâmicos e dos meridianos, mas de todo o campo vital do indivíduo. Nenhuma estrutura dinâmica deve estar privada da informação de realinhamento como se não houvessem permissão para que forças entrópicas entrem no sistema. O indivíduo deve estar completamente protegido e informado de acordo com os padrões universais, para que o sistema tenha condições favoráveis e espaço luminoso para processar a sua auto-organização interna.

Saltos De Consciência

A grande questão nos processos de cura foi descrita muito claramente por Einstein: uma pessoa não pode curar um padrão se ela permanece presa ao padrão mórbido que criou aquela realidade.
Esse é o grande desafio. Por exemplo, as vezes em que as pessoas julgam a realidade de alguém e se perguntam como aquela pessoa fez isso ou não enxergou aquilo.
Mas também esse é o cerne da questão. Quando alguém está em um nível de consciência, ele vai criar uma realidade compatível com aquela instância, que é absolutamente justa para ele. Ele pode sofrer com aquilo, mas não vai saber como se livrar. Muitas vezes vai seguir achando que está certo e que aquilo é sempre justificável.
A questão é fazer com que haja um efeito laser, um supercondutor de energia na consciência do indivíduo, e ele salte internamente, vá para um novo padrão e, partir daí, enxergue esta nova realidade. Isso é sempre observado com perplexidade, pois o indivíduo se pergunta como não percebeu aquilo antes.
Quando Cristo na cruz perdoou os seus oponentes dizendo que estes não sabiam o que estavam fazendo, ele tinha uma consciência muito clara desta realidade. Precisamos saltar para fora de padrões de consciência que determinam sofrimentos e doenças e ir para lugares que vão permitir atos criativos significativos para a nossa trajetória interior. Uma das formas de se obter isso é com uma informação eletromagnética na forma de medicamentos homeopáticos que oferecem energia ao sistema com a informação alinhada com este campo vital. Essa é a proposta fundamental deste trabalho com a Metodologia BioFAO, promover saltos de consciência que permitam ao indivíduo sair de padrões de crenças que o levaram ao adoecimento.