Projetos Sociais

Desenvolvimento e apoio a projetos sociais, em parceria com organizações não governamentais e comunitárias, centros de promoção, universidades, instituições de pesquisa, visando à promoção da saúde individual, coletiva (humana e animal) e ambiental.

Projetos desenvolvidos e mantidos pelo instituto biofao

Consultas médicas e BioFAO

Matutu

O Projeto Matutu é desenvolvido desde 2008, em parceria com o centro comunitário, na localidade de Matutu, em Aiuruoca, Minas Gerais. A Dra. Míria de Amorim atende à comunidade, em um número aproximado de 200 pessoas, semestralmente, de forma voluntária, oferecendo uma consulta médica juntamente com a aplicação da Metodologia BioFAO. O objetivo é a melhoria da saúde da população local e entorno.

Responsável: Drª. Míria de Amorim
Período: Semestral
Desde: 2008

BioFAO na Agricultura

Vinhas

O projeto das Vinhas é desenvolvido desde setembro de 2009, na Cidade de Caxias do Sul, na propriedade do agricultor Vilson Pigotto. Seu objetivo é manter a saúde das videiras e do controle biológico, garantindo, igualmente, a saúde do solo e das diferentes espécies. O agricultor fica responsável pelo trabalho de assessoria e monitoramento do local juntamente com a assistência da Dra. Míria de Amorim e pelo Instituto BioFAO. A partir de 2011, a safra alcançou os melhores resultados com menor impacto ambiental, sendo indicada para produção de suco de uva orgânico para exportação. Nas plantações de citros (bergamota, montenegrina, laranja e limão), a parceria contribuiu para uma produção integralmente ecológica.

Responsável: Vilson Pigatto
Desde: Setembro/2009

BioFAO na Agricultura

Um Impulso na Viticultura Portuguesa - Região Demarcada dos Vinhos Verde

O projeto está sendo desenvolvido na Região Demarcada dos Vinhos Verdes, mais concretamente em Arcos de Valdevez, com o acompanhamento da Escola Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural De Ponte de LimaA agrohomeopatia Biofao é utilizada na viticultura portuguesa em ensaios desenvolvidos na Região dos Vinhos Verdes, com a casta Arinto. A aplicação é feita por via foliar. O ensaio tem evoluído de forma positiva, mostrado bons resultados no tratamento de doenças típicas da viticultura, como o controle dos fungos míldio e oídio.

Ação: Aplicação de BioFAO na viticultura, por Manuela Ribeiro.
Período: Colheita 2017 - de fevereiro a setembro
Objetivo: Obtenção de uva de qualidade respeitando a saúde da terra e de todos os seres vivos.
Serviço Prestado: Assessoria e monitoramento voluntário, por Dra. Míria de Amorim e pelo Instituto BioFAOFornecimento gratuito do medicamento durante os primeiros anos do projeto.

BioFAO na Agricultura

Um Impulso na Viticultura Portuguesa - Região Demarcada do Douro

O projeto está sendo desenvolvido na Região Demarcada do Douro, mais concretamente em Vila Nova de Foz Côa, na Quinta do Vale Meão, com o acompanhamento da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, exatamente no tempo da colheita deste ano, no período de fevereiro a setembro.
A Metodologia BioFAO é utilizada na viticultura portuguesa em ensaios desenvolvidos na Região do Douro, com a famosa casta Touriga Nacional. A aplicação é feita por via foliar e ministrada por Manuela Ribeiro. O ensaio tem evoluído de forma positiva, mostrando bons resultados no tratamento de doenças típicas da viticultura, como o controle dos fungos míldio e oídio.

Responsável: Manuela Ribeiro
Período: Colheita 2017 - de fevereiro a setembro

BioFAO na Agricultura

Sítio do Jacó (RJ)

O Projeto Sítio do Jacó consiste em uma parceria realizada, desde janeiro de 2017, entre o Sítio do Jacó, através de seu proprietário, Edvaldo Vieira da Silva e o Instituto BioFAO. O Sítio trabalha de forma orgânica há 18 anos. O objetivo do projeto é promover a saúde nas plantações, promovendo o controle biológico. A aplicação da Metodologia BioFAO se dá em canteiros experimentais, cujo processo vem sendo documentado e observado. O Instituto BioFAO fornece assessoria, acompanhamento e a doação da BioFAO.

Responsável: Edvaldo Vieira da Silva
Desde: Janeiro/2017

PROJETO COTA SOCIAL | CURSOS INSTITUTO BIOFAO

O Instituto BioFAO, cumprindo seu objetivo de apoiar iniciativas que promovam a saúde individual, coletiva e ambiental, abre o seu espaço para a realização de cursos voltados para a saúde, a qualidade de vida e o autoconhecimento. Como somos um Instituto sem fins lucrativos, desenvolvemos um programa de cotas para que mais pessoas possam participar desses encontros.
Apresentando um ou mais critérios você pode pleitear uma cota de isenção (50% a 100%). Segue abaixo a lista de critérios adotados.
 
- Servidor público médico ou médico veterinário.
- Pessoas com potencial de replicação daquilo que aprendem (utilização social do conhecimento);
- Pessoas que não estejam trabalhando ou que estejam passando por dificuldades para pagar um curso;
- Pessoas que estejam necessitando de oportunidades que contribuam para o seu fortalecimento energético.

Caso você tenha interesse em se candidatar para alguma vaga, por favor, nos envie uma mensagem com o nome e data do curso que deseja participar, além de uma breve explicação contando por que gostaria de ser um cotista.

Projetos apoiados pelo instituto BioFAO

Migalhas de Luz

O Projeto Migalhas de Luz é desenvolvido desde 2000, na Obra Social Migalhas de Luz, instituição que se localiza em Engenheiro Pedreira, no Rio de Janeiro. Funciona como creche, em período escolar, e atende de 15 a 20 crianças por mês. O projeto consiste em uma visita mensal da médica pediatra Dra. Elizabeth Lira, que ministra o BioFAO às crianças e faz o devido acompanhamento. O Instituto BioFAO apoia o projeto através da doação da Metodologia BioFAO.

Responsável: Drª. Elizabeth Lira

Doe para o instituto biofao

O Instituto BioFAO, que é uma organização sem fins lucrativos, tem como objetivo realizar trabalhos de extensão e apoio às comunidades, organizações e projetos. Alguns dos projetos são realizados pelo Instituto, enquanto outros recebem o seu apoio.  No entanto, todos têm como objetivo ampliar a atuação da Metodologia BioFAO, seja na clínica médica ou veterinária, seja na agricultura, porque acredita-se em uma forma de promover a saúde fortalecendo o biocampo das pessoas, dos animais e da própria vida.